terça-feira, dezembro 30, 2008

Meu Amor

Para a minha amada...



... Eu te amo, garota formosa.
De forma tão sútil.
De forma tão carinhosa.
De forma tão gentil.
Eu imagino nosso futuro.
Sorrio, fico feliz, minha adorada.
Pelo meu amor por ti, eu juro.
Que sempre tentarei te fazer feliz, minha amada.

Tu és a mais importante para mim.
Acalenta quentemente meu coração.
Eu e tu, nosso amor sem fim!
Tu e eu, nossa eterna paixão.
Supera léguas, milhas.
E contigo tudo faz sentido.
Não penso mais viver isolado em ilhas.
Pois contigo nunca mais serei ferido.
Quero que fique, comigo, abraçada.
E enquanto eu te espero.
Para te dizer, minha namorada.
O quanto eu te amo e te quero.

Para toda vida.Durante a vida toda.
Nosso amor.Ressoar pelo infinito.



Te amo, Fernanda.

Para a dama mais preciosa que existe. Do fundo do meu coração. Para sempre estaremos juntos. Meu amor, minha querida.

Eu te amo, Fer!

quinta-feira, dezembro 25, 2008

Butterfly Effect

Então, eu passei um tempão sem postar! Fato, fato. Fiquei em conflito qual filme postar e então não postei nada. Hahaha! Mas então, hoje, no dia da minha viagem eu me obriguei a postar sobre algo.

E como eu estou em um momento romântico e fofo porque vou ver minha amada, eu decidi postar sobre o "Efeito Borboleta" ou "The Butterfly Effect". Então, vamos lá, vamos falar do filme.

Então, Ashton Kutcher interpreta um personagem chamado de Evan Treborn, um garoto com problemas de memória desde criança, tendo blackouts e fazendo coisas que não pode explicar, como por exemplo: Pegar uma faca da cozinha na frente da sua mãe, ou desenhar em um desenho de escola ele assassinando dois presidiários.

Bom, isso é explicado no passar do filme quando descobrimos que Evan tem a capacidade, de por algum motivo, ao ler ou relembrar suas memórias ditas como "perdidas", voltar naquela parte exata de sua vida e alterar o fluxo com o conhecimento que já tinha lá na frente, dos fatos.

Então, vendo que sua vida era uma porcaria do jeito que era, ele começa a voltar nas suas memórias e alterar tudo. Mas como bem sabemos, ao voltar no tempo e alterar algo - tudo no futuro muda. E ele vai aprendendo e a cada ação que ele faz no passado, o futuro dele muda de forma drástica.

E pra dramatizar ainda mais, ele ama Kayleigh Miller, uma menina cujo ele é apaixonado desde pequeno, e de todas as formas, todas as ações, ela sofre com que acontece, tudo que acontece afeta ela diretamente, e ele começa a ficar desesperado querendo ficar com ela e ajudar.

Bom, o filme é bonito e eu não vou contar o final. Mas bem, isso me lembra que - essa história de amor - logo, logo eu vou estar com minha amada! Faltam literalmente 6 horas e 10 minutos para isso, é. Isso me deixou muito ansioso.

Enfim, eu penso. Vou ficar MAIS tempo sem postar aqui, por estar em Brasília, mas pensem só, não tem muita gente que lê meu blog, eu acho, então, não farei tanta falta. Mas deixe pra lá.

E pra Fer, bom, eu AMO MUITO VOCÊ. Você é minha vida e minha paixão, amor da minha vida! E logo logo estaremos juntinhos, viu? Linda, linda. Minha princesa.

Então! Espero que leiam essa postagem fraquinha e reflitam.

PS: Eu amo você, Fernanda Carolina Aguiar de Faria! ^.^

domingo, dezembro 14, 2008

Cthulhu fhtang n' Ry'leh

"Cthulhu espera em Ry'leh". Cthulhu, o Devorador. Deus Mítico criado pelo mestre do Horror, Howard Phillips Lovecraft, ou, H.P. Lovecraft.

Autor de uma frase célebre que eu acredito que é uma das mais bem ditas de todas.

"Uma das maiores bênçãos do mundo, creio eu, é a incapacidade humana de correlacionar todos os seus conhecimentos" - Howard Phillips Lovecraft, Call of Cthulhu.

Vejo O Devorado como uma critica a natureza humana. O ódio, a indiferença acaba por despertar de tal forma que tudo termina. Não há vida após o levantar de Cthulhu e mesmo os seus servos serão mortos quando O Ancião despertar, mas de maneira mais rápida e menos dolorosa.

A natureza humana destrutiva e mortal. Capaz de arrebatar toda a espécie com sua avareza e seus outros seis pecados. A humanidade se encontra perdida e desesperançosa em sua própria existencia, dando um prologo ao que posso chamar de auto destruição.

Uma sinfonia louca e destrutiva. Orquestrada pelos próprios seres humanos. Como loucos maestros, arquitetos da nossa própria destruição. Acho que mesmo que - não tenha sido a intenção de Lovecraft, mostra que, o ser humano tem um sentimento de medo e desesperança de si mesmo e que nada pode curar isso.

O medo é o grito desesperado do temor. O pânico é o ápice do medo. O medo é a forma mais pura de demonstrar que não somos os mais fortes, ou que não somos tão fortes quanto pensamos.

Lovecraft adotava o medo como mode de sua vida, mas, o que pode-se dizer das pessoas que não são acostumadas com ele?

Por que as pessoas vêem filme de terror? As pessoas sentem um prazer estranho e primal por sentir medo, mas mais estranho ainda, é que se não for o medo controlado por elas, as repudiam.

Controle, é o que o ser humano sempre busca.

Ao lado, Cthulhu, o Devorador. Descança adormecido em Ry'leh, a cidade submarina esquecida pela humanidade, mais antiga que a própria existencia do relevo terrestre.

Cthulhu, Dagon e todos os outros seres dos Mythos de Cthulhu criaram os seres humanos. Por que? Não sei dizer, não lembro de ter lido ainda. Mas, os homens são irrelevantes para eles.

O devorado, com uma aparência monstruosamente bizarra. O ser capaz de aniquilar toda a existencia da terra, todo o ser vivo.

A aparência monstruosa, remete à visão que as pessoas tem da humanidade: Somos tão horriveis assim?
Não sei o que posso dizer. Mas é uma analise que eu faço de Cthulhu, mas, posso dizer besteiras, afinal, Lovecraft nunca revelou qual foi sua inspiração para a Cthulhu.

Mas bem: Minha analise é gratuita, faço isso por prazer e porque a tradição é um escritor e uma obra. Os de hoje foram H.P. Lovecraft, o Mestre do Terror e seu Chamado de Cthulhu (Call of Cthulhu).

Faltam 11 dias... logo mais faltarão dez, na proxima postagem faltará 10 dias.
Em dez dias, meu amor estará comigo. E eu farei dela a mais feliz do mundo.
Porque - eu simplesmente posso fazer retribuir - o que ela me faz sentir.
Muito amor e muita felicidade.

Então, espero que reflitam.

11 dias... 11...dias...

sábado, dezembro 13, 2008

O Orgulho do Rio Grande

Hino Rio Grandense

Como a aurora precursora
Do farol da divindidade
Foi o vinte de setembro
O precursos da liberdade


Mostremos valor, constância
Nessa ímpia e injusta guerra
Sirvam nossas façanhas de modelo
A toda a terra, de modelo
A toda terra de sirvam nossas façanhas
De modelo a toda terra


Mas não basta pra ser livre
Ser forte, aguerrido e bravo!
Povo que não tem virtude

Acaba por ser escravo

Mostremos valor, constância
Nessa ímpia e injusta guerra
Sirvam nossas façanhas de modelo

A toda terra, de modelo
A toda terra sirvam nossas façanhas
De modelo a toda terra!



Sim. Comecei com o hino do meu estado de inicio do post. Mas por que? Não tem nenhuma data especial hoje representando ele, correto? De fato. Mas ser do Rio Grande do Sul me faz ter orgulho.

O sangue guerreiro farroupilha, de uma terra que fora manchada pelo sangue de guerreiros que queriam liberdade, de guerreiros Farroupilhas e de inumeros outros Gaúchos que cairam em inúmeras outras guerras. Mas eu não entendo algo...

Reconhecidamente, o povo gaúcho é o povo que mais ama o seu Estado, em grande parte das pessoas saberão de cor o Hino do Rio Grande do Sul, as cores da bandeira e o que foi a Guerra dos Farrapos. Ou melhor, Revolução Farroupilha, qual seria a termologia correta?

Nessa mesma revolução, foi proclamada a República Rio Grandense, por Bento Gonçalves da Silva. Então, como haveria uma Revolução em um País diferente? Bom, a doutrina discute isso até hoje, eu prefiro acreditar que houve sim, a criação de um novo país, mesmo ele tendo sido anexado ao Brasil mais uma vez no fim, no tratado do Poncho Verde.

Hoje, bem, eu me considero duplamente, talvez triplamente orgulhoso. Tenho sangue indígena, daqueles quais se negaram a servir como escravos e morreram pela sua liberdade, sua terra, pela sua convicção. De Farroupilhas, que, mesmo movidos por alguns políticos, lutaram pela liberdade e pelo que achavam justos. E também, tenho o sangue Colorado, clube criado para desfazer a elitização do futebol gaúcho, desde sua criação, admitindo qualquer tipo de jogador em suas fileiras.

Acho que nasci para reclamar, para causar revoltas e quem sabe mudar algo, eu não sei. Realmente não sei mesmo, mas uma coisca interior em mim me faz querer saber o que há de errado nas coisas e - querer mudar isso. Mudar o que acho errado, transformar em certo. Justo.

Realmente, pareço estar no curso certo? Meu professor de Direitos Fundamentais, grande homem, disse: "Vocês começam o curso com ideologias e visões que podem mudar o mundo com o Direito, que podem tentar mudar, aqueles que querem, a realidade que existe. Mas infelizmente muitos dos que chegam no final do curso desistem, por algum motivo, disso".

Não pretendo desistir de mudar o que acredito que é errado. Do mesmo jeito, posso garantir por A + B, que farei de tudo para mudar pelo menos o meu mundo. Lutar pelo que acredita, é e sempre vai ser, o que todos devem fazer para se tornarem, se não sucedidos, gloriosos em suas quedas.

Mas bem, eu vejo que - acredito que - não importa o que possam dizer, pode ter começado como uma revolução de cunho burguês e elitista, mas o povo, o povo que lutou, as fileiras de infantaria, acreditavam com amor e garra na liberdade prometida pela vitória na guerra.

A tropa mais temida da Época, Pelotão de Lanceiros Negros do Rio Grande do Sul, lutavam pela Abolição da Escravidão, que, fora prometida pelos homens da Revolução. Pelo homem que chamam de mercenário, mas que fora um Herói pelas pessoas daqui, Giuseppe Garibaldi, homem que lutou e segurou praticamente sozinho o fronte de guerras em Santa Catarina.

Ah, mas por que então, uma elite que defendia os ideais da revolução perdeu? Desistência, medo e traíção. Após a retirada de Garibaldi, para resolver problemas em sua terra natal, lutar mais uma luta na Itália. Santa Catarina temeu e fugiu, recuou e se realiou às tropas imperiais, ou chamados de Caramurus.

Obrigados a terminarem a guerra que já gastava mais de milhares de vida, os governantes concederam os beneficios econômicos que os gaúchos pediram, mas, ainda temiam os lanceiros. E os homens que puxavam as cordas do poder combinaram, antes de selar o fim da guerra, uma batalha que os Lanceiros não poderiam vencer.

Um massacre, tropas encurraladas e mortas, nenhum sobrevivente daqueles valentes heróis, que lutavam pela liberdade.

Porto Alegre, minha cidade, Capital do Rio Grande do Sul, Capital da Republica Rio Grandense.

Como simbolo: O Laçador.
Aquele que se ergue aos céus para laçar e voar livre junto com as águias e os falcões, para enfim, mostrar o verdadeiro apreço à liberdade.

Não tenho muito mais o que falar. Amo minha terra, amo meu clube de futebol, amo minha origem, também como não posso negar o fato de que, como viram, que também amo o Heavy Metal.

Mas não são parte de um som que procura-se alcançar com todas as forças, são meios, são o que empurram para que o meu sonho ocorra.

Pois acima de tudo, amo minha Fernanda. Por mais que aconteçam coisas que podem ser ruins, por piores os momentos que sejam, eu amo ela. Ela é meu sonho, minha amada e minha redenção. A garota que eu quero fazer feliz acima de qualquer outra, a qual eu quero envelhecer junto e morrer abraçado a ela, no crepúsculo da minha vida.

O começo desse sonho está marcado já. Daqui a 12 dias, depois da meia noite, 11 dias. Poucos dias para eu tê-la nos braços, para lhe dar todo o meu amor de forma completa!

É, é isso. Espero que reflitam!

PS: Postei mais cedo porque provavelmente vá sair, então, não estaria aqui depois da Meia Noite pra postar.

Sonhos


Aqueles que são o combustivel e também o objetivo de toda uma vida. Os sonhos são os que fazem nós seguirmos em frente quando tudo parece escuro e nada mais faz sentido.

A imagem? Do filme da animação da Disney: "Spirit, O Corcel Indomável". Por que um filme da Disney? Por quê Spirit? Ele representa dois sonhos. Dois sonhos distintos, que de certa forma me guiam e me tornam completo, me dão esperanças. Sonhos são nada mais do que a chave da esperança de uma pessoa. São a chave da minha esperança.

Spirit é indomável, livre e feliz. Ele representa a liberdade no sentido estrito na palavra. Sem fronteiras, sem ninguém para prender-lhe, nada, nada. Um sonho inalcançavel para qualquer um que se diga humano. Mas quando ele conhece "Chuva" (Rain, no original em inglês) e decide viver livre junto à sua amada. Ah, o amor, a tradução do sonhar.

Todos que sonham, amam. Todos que amam, sonham. São como uma simbiose. Quem sonhar, não importa o que, ama esse sonho, por isso deseja para sí. O sonhar é o único lugar que um ser humano pode ser verdadeiramente livre.

Meu sonho é simples, estar com a minha Fernanda, junto, tão junto, ser feliz e fazê-la feliz por toda a vida. Ter filhos, ter cachorros, animais diversos. Uma casa suficiente para todos nós, bela e calma, longe de todo o ódio, de toda essa prisão chamada "sociedade".

Eu sonho todo o dia - todo o momento. A vida deve ser feita para conquistarmos os sonhos, sermos por fim, livres nas nossas próprias limitações, nas nossas próprias vidas. Não temos asas, fato. Mas podemos voar mais alto que águias. Não temos guelras, mas podemos mergulhar mais fundo nos nossos sonhos do que qualquer um.

Para mim, o sonho é o amor à liberdade e a liberdade de amar. E meu sonho é isso, estar com a mulher da minha vida, minha Fernanda, para todo sempre e fazê-la feliz. Não tenho medo de dizer isso, não faz sentido ter medo de dizer.

O amor... pode mudar uma pessoa. O amor, pode fazer com que alguém se transforme completamente. Pode fazer com que lutemos com a maior força que temos: O amor, nada mais é, do que um sonho.
Todos sonham em encontrar a pessoa amada. E eu tenho a sorte, e o privilégio de dizer que encontrei o meu amor.

Com os sonhos mudamos o mundo inteiro, desafiamos leis e regras e somos livres. Com os sonhos nos tornamos um com a Terra, um com nós mesmos.

E quando realizamos a perfeição do nosso sonhar, nosso amor, nossa liberdade; Nada mais faltaria, nada além da felicidade. O objetivo de todos, no final, é alcançar a felicidade, ela não é feita pela eternidade - ela é feita de conquistas em realizadas em nome dos nossos sonhos. Cada pedacinho, cada fragmento, é um pedaço da felicidade que se diz eterna.

E bem - eu farei cada fragmento ocorrer, de forma mais intensa, dia a dia, em nome, do que eu chamo de amor, do meu sonho, da minha amada.

Sonhar é ter liberdade
Sonhar é amar
Ser livre é sonhar
Ser livre é amar
Amar é o sonho
Amar é o fim da prisão
No fundo do meu coração
Eu só preciso te dizer
Que tu és meus sonho


Te amo, minha Fer. Cada vez mais, cada dia mais, cada segundo e cada minuto.

Espero que reflitam...

PS: 12 dias... parecem uma eternidade, mas, eu esperaria uma eternidade, correria atrás do infinito, pelo meu sonho.

quinta-feira, dezembro 11, 2008

Essa é nossa política

"Um taxista de 64 anos, que está tendo a identidade preservada pela polícia por questões de segurança, matou um assaltante em uma tentativa de assalto ocorrida no início da madrugada de hoje em Frederico Westphalen, no norte do Estado. De acordo com Alicildo José dos Passos, delegado da Polícia Civil de Frederico Westphalen, Emílio Gradir Porto, 27 anos, foi morto com um tiro na cabeça com a própria arma que teria usado na tentativa de assalto."


Bela notícia para começar o post de hoje, não? Agora o que provavelmente vão fazer? Acusar o velhinho trabalhador honesto por homicidio culposo com atenuante de legítima defesa, sim, ele será preso e isso é fato. Agora, é justo? Cadê a polícia que devia protegê-lo?

Ocupada, contigente pequeno, e o que existe, está ainda mais ocupada tentando conter manifestações populares legais com violência e bestialidade.

Está aqui nossa resposta. Confronto de protestantes há alguns meses contra a Brigada Militar, protestantes que iam por sua vez - se manifestar contra a sujeira que tem acontecido no governo do estado - a corrupção e fraude do DETRAN, as outras inumeras maneiras de lavar dinheiro que é do pobre cidadão, que ao manifestar contra, apanha e é violentado porque devia lhe proteger.

E o que devemos dizer do idoso que matou o assaltante? Criminoso? Inocente? Assassino? Afinal, o mesmo assaltante devia ter uma familia, uma mãe, um pai. Alguém que sentiria sua falta. Mas ao mesmo tempo, ao mostrar a ameaçar uma vida - a vida de alguém mais frágil como um senhor de 62 anos, é digno de ser chamado de "Ser Humano"?

Na minha concepção, qualquer pessoa que - atente contra a vida de outra, não pode mais ser considerado "humano". Embora, só seres humanos matam outros seres humanos por motivos torpes, dinheiro, ganância, motivo algum...

Mas e o senhor de sessenta e dois anos, não é mais humano? Não, ele matou alguém que perdeu a humanidade, ele salvou a própria vida que ia ser ceifada. Ele é inocente.

Mas enquanto isso nossos governantes ficam quietinhos, sentadinhos, protegidos pela policia que agride e ataca quem devia estar protegendo? Onde está a lógica nisso?

Não dá para entender. Enquanto há pessoas mendigando e pedindo comida nas ruas, os governantes ficam em seus palácios sentados e mandando, colocando mais tributos para eles lavarem o dinheiro, mais conforto para eles mesmos.

Escondidos em seus palácios de pedra. Escondidos do povo que deviam representar. Nossa democracia burguesa mais uma vez sua face de não se importar com a vida - com a segurança - de seu povo, o povo que faz o lucro mover.
O lucro... esse lucro, que muitos nunca vão ver. É uma pena que isso aconteça nesse estado que amo tanto. Ainda assim, não quero deixar esse lugar, esse estado que amo tanto.

Mas não muda o fato de que uma viagem pode me fazer bom. E vai fazer bem, na verdade, vai ser uma das melhores coisas que fiz na vida.

Treze dias, treze longos dias para encontrar o amor da minha vida... fico ansioso e sinto um frio estranho na barriga. Mas é bom, é muito bom...

E bem, espero que reflitam!


quarta-feira, dezembro 10, 2008

Encare a sí mesmo

Bem, eu passei a semana toda pensando na proxima música que eu ia botar aqui no blog. Sim, eu vou fazer esse ciclo repetitivo que viram? Por quê? Ah, porque eu gosto.

E como bem sabem, o primeiro post foi uma música, logo, esse post também é uma música.

Primeiro: Sobre a banda que eu escolhi, depois a música e por fim, porque eu escolhi a letra.

A Banda é daqui de Porto Alegre, RS. Uma das minhas favoritas e na minha concepção, melhor Banda do Brasil. Hibria.
Sendo então formada, na ordem das legendas e das fotos: Marco Panichi (Baixo), Diego Kasper (Guitarra), Iuri Sanson (Vocal), Eduardo Baldo (Bateirista Contratado), Abel Camargo (Guitarra). Sobre a história da banda e tudo mais: www.hibria.com

Agora, minha experiência com o Hibria? Bom. Fã eu sou desde o ano passado, quando meu amigo Clóvis me apresentou a banda. Na época eu estava na 'fase' de batidas de metal mais leves e calmas, Hibria foi... digamos... um contraste ao que eu escutava. Batidas pesadas, vocais agressivos e MUITO Heavy Metal. Foi uma mudança. Eu comecei escutando Hibria aos poucos, das mais calmas como "Living Under Ice" até chegar na música que eu considero a melhor do Cd Defying the Rules, a "Faceless in Charge". Mas não, não foi ela que escolhi, poderia, mas não foi a escolhida. Em outra oportunidade, eu posto ela.

Então eu virei Fã de Hibria, mais ainda quando eu finalmente (e que foi sofrido conseguir ver um show deles, sempre dava desencontro pra ir) consegui assistir um show, no Dia Mundial do Rock, no Gasometro. A qualidade de audio ao vivo igualando a de Estúdio e cara, eu vi poucas bandas fazerem isso. Um show de qualidade em um local com péssima acústica, sem dúvida, se ainda havia algum receio com Hibria, ele se foi NESSE momento.

Mas não acabou por ai, eu como bom Metaleiro, tenho o sonho de ter uma banda (e acho que esse sonho cresce a cada dia mais) e por eu gostar de cantar, a opção óbvia, Vocalista. Então eu me decepcionei, pois não achava aulas que focassem o Metal, algo que - eu sempre quis. Então veio uma luz, descobri que o Vocalista do Hibria, Iuri Sanson dava aulas. Não demorei, marquei uma aula e fui.

Foi dificil achar o lugar, um tanto chato achar. Mas achei, lá, eu conheci um dos melhores vocalistas que eu ouvi. Gremista (É, ele canta bem, mas tem defeitos o coitado) assim como toda a Banda (Não disse, todos tem defeitos). Gente finissima pra caramba, conversamos e bem, a aula me animou ainda mais com a ideia. Mas com problemas em casa e tudo mais, faculdade apertado, até hoje eu não consigo marcar mais uma aula com ele. E eu quero - muito - mais uma aula.

Bom. Essa é a minha experiência pessoal com Hibria. E eu digo, se tu gostas de um Heavy Metal bom, então, é uma das bandas que tu deves escutar. A música que eu escolhi? Stare At Yourself, última faixa do Album Defying the Rules.
Hibria - Stare at Yourself
[Verse 1 (Ripper)]
Broken down and oppressed by the secrets
A prisoner of yourself
Secrets hidden in an enigmatic temple
A pain that you never release

[Bridge 1 (Ripper)]
In a moment a fusion of emotions
Can make you stronger than fear
Letting you say what's on your mind

[Chorus (Ripper)]
Stare at yourself
The power can be found
Make a wish
Straight to the skyline
Make your dreams come true
The best bet is yourself

[Young Master]
Living in sorrow
I never know if
What I'm saying, is what I believe in
Ain't I fighting
For ideas
I don't believe in?

Living in sorrow
I never know if
What I'm saying is a truth I can believe in
Ain't I fighting
For ideas
I don't believe in?

I have the need to know what is wrong
Have I been judging what they have been thought?
Come together, let's change it all

[Chorus (Ripper)]

[Young Master]
Feeling stronger to throw away
The secrets hidden in my world of pain
Feeling stronger to throw away
The world of ideas they put me in

[Epilogue (Young Master)]
Can't we live in together?
As we think it's right?
I don't want to hurt your freedom
- I will live free -
So don't try to hurt mine
- On and on -
I don't want to change your world
So don't try to change mine
Why I have to follow your path
- I will live free -
If having my own way
Is nice to me
- I will live free -
Stare at yourself, stare at yourself
Stare at yourself, and find yourself


Como foi com a Eagle Fly Free, acho que essa letra também é auto explicativa, mas vamos lá. Primeiro o Titulo: Encare a sí mesmo. Um modo de fazer cada um ver o que faz ao invés de apenas criticar os outros, de olhar para os outros.

Começando oprimido pelo que pensa, segredos, sem coragem de encarar o medo de expressar e revelar opiniões. Mas em algum momento, o medo se desfaz com o misto de emoções. São as duas primeiras estrofes, parece que - de fato - a pessoa a qual Ripper fala é alguém inseguro e com medo de dizer o que pensa e o que acha.

Após isso o conselho: Encare a si mesmo, o poder pode ser encontrado, faça um pedido direto aos céus, faça seus sonhos se realizarem, a melhor aposta é você. Não preciso explicar, não?

Após isso quem se encontrava em tal situação, Young Master, a qual Ripper conversa, fala das dúvidas de que vivendo na tristeza de não saber que o que diz e pelo que luta é o que ele realmente acredita.

E na proxima parte, ele diz que tem a necessidade de saber o que está errado e que esteve julgando todos entretanto, que quer mudar tudo. Eu compartilho disso, eu preciso saber sempre o que há de errado, julgo ações que considero errado e quero mudar tudo! É, me vejo de certa forma nessa música.

E o refrão, o conselho, volta reafirmando o que disse antes. E então ele levanta, sentindo-se forte para jogar tudo para fora, livrar-se do mundo de dor, destruir o que fizeram-no acreditar.

Então o final, uma das partes que compartilho integralmente a ideia.


"Não podemos viver juntos
Como achamos certo?
Eu não quero ferir sua liberdade
- Eu vou viver livre -
Então não tente ferir a minha
- Indo e indo -
Eu não quero mudar seu mundo
Então não tente mudar o meu
Por que eu tenho que seguir seu caminho?
- Eu vou viver livre -
Se ter meu próprio caminho
É bom para mim?
- Eu vou viver livre -
Encare a si mesmo, encare a si mesmo
Encare a si mesmo, e encontre-se"

Não vou explicar o final, a tradução que eu fiz explica tudo. Agora para finalizar. Não podia deixar sem o link para um video com a música.

Stare at Yourself - Hibria


É isso ai, espero que reflitam!

PS: 14 dias... Eu amo você, Fernanda!

Everybody Lies

Então... agora chega a hora de falar de uma série de TV. Minha favorita? House.

"Everybody Lies" é as palavras de House. Todos mentem. Isso é fato, não só comprovado pela série, mas pela vida. Todos mentem ou já mentiram uma vez e quem dizer quer não, estará sendo hipócrita e um tanto quanto romantizando a condição de um ser humano.

Eu já menti, ainda minto. O problema não é o fato de mentir e sim como e para quem tal ato é utilizado, isso muda tudo. Quem mente para quem confia, realmente, ao meu ver não é merecedor de confiança.

Lealdade a palavra e nunca mentir para aqueles que amo e confio. É no que eu acredito, nunca menti para minha namorada e depois que assumi essa filosofia, nem para meus pais e parentes proximos.

Mentir? Não, não considero um pecado. É algo da natureza humana, apenas nosso ver de 'ser perfeito' que faz o ato de mentir vil. Todos acreditamos que a pessoa que tenha todas as virtudes e nenhum vicio ou defeito seja perfeita. Seja sincero, honesto, leal, compreensivo, altruista e uma inumera lista de qualidades e virtudes. Nenhum ser humano detém todas essas caracteristicas, por isso, seria o modelo perfeito. Pois ele é inalcançavel.

Mas bem, não quero ser perfeito. A perfeição ao meu ver não se da por simplesmente... deter caracteristicas que todos achem boas. Não, eu acredito, que cada um é perfeito para certas pessoas. Assim como eu acho minha namorada perfeita para mim, eu tenho noção de que ela não é perfeita, mas amo todos os defeitos dela assim como todas as qualidades, ela me complementa e me faz então, perfeito.

Tento ser perfeito para ela, tento ser um bom filho e também um bom amigo. Não sei se consigo ser 100% do tempo assim, até como Descartes diz... nunca é 100%. Mas sabe, queria deixar essa paranóia de Descartes de lado e dizer. Se tu confias em alguém, deposite 100% da sua confiança na pessoa, porque só assim, tu vais confiar. Eu confio no meu amor, eu confio nos meus pais, 100%.

Mas voltando ao House. Ele é um médico anti-social, egocentrico, narcisista, viciado em Vicodin, arrogante e que não segue nenhum padrão de ética. Mas é um gênio, caracterizado por uma inteligencia incrivelmente alta e quase nenhuma empatia, ele fala o que quer sem se importar, fala o que pensa sem ter medo de ferir ninguém. Isso o afasta das pessoas.

House tem três assistentes, quatro agora no final da quarta e na quinta temporada. Além disso, tem seu melhor amigo, James Wilson e também sua chefe, Elizabeth Cuddy, são as únicas relações... 'afetivas' de House, sendo que considero Cuddy e Wilson, os unicos amigos verdadeiros dele.
House tem um talento com instrumentos musicais, o que me leva a crer que poderia ter sido um músico em uma realidade alternativa (XD). Os episódios de House me geral tem apelos humoristicos inteligentes e racionais, pelas tiradas ironicas e sarcásticas do Dr, que não se importa em humilhar e ridicularizar os membros de sua equipe e até seus únicos dois amigos.

Como uma pessoa, concordo, ele é detestável, uma pessoa insuportável, mas, o que faz-se admirar nele é o modo de que ele fala o que pensa, mesmo às vezes estando errado, ele não tem medo de dizer. As pessoas não deveriam ter medo de dizer a verdade.

Outro fator importante é que ele é aleijado de uma das pernas em vista de problemas passados (Revelado se não me engano, no episódio "Three Histories") que contribuiu ainda mais para a arrogância dele de achar-se sempre certo - pois ele fora o único que diagnosticou correto o problema de saúde que tinha - mas não lhe deram ouvidos e sua perna acabou sendo praticamente inutilizada.

Ainda mais, a perna sofre de constantes dores, por isso, toma muito Vicodin para amenizar, mas, depois de um tempo nota-se de que House já não é um simples usuário de analgésicos para dor, ele já é um viciado, abordado isso muito bem na 3ª temporada. Ironicamente seu vício é a única coisa que diminui a dor na perna dele e o faz pensar racionalmente.

A série também apela para conflitos éticos, muitas vezes feitos pelo próprio protagonista, sobre como tratar os pacientes, invadir as casas dos pacientes sem permissão e outros casos mais particulares de cada caso. Uma abordagem não protocolar que mostra que nem sempre os 'padrões' e 'protocolos' salvam vidas em hospitais.

É uma ótima série e eu não perco um episódio (Viciado? Nem um pouco) e recomendo para verem quanto estiverem com tempo. E sim, Hugh Laurie é o interprete de Gregory House, que foi baseado em Sherlock Holme, pelo seu criador, David Shore.

Então... é isso meus caros!

Espero que reflitam!


PS: 15 dias... e ainda contando. Cada vez menos, cada vez menos!

terça-feira, dezembro 09, 2008

O Sonho de Liberdade

"Medo pode segurar-lhe prisioneiro. Esperança pode libertá-lo".

É... é um belo filme. Um sonho de liberdade, ou como em inglês: The Shawshank Redemption. Vou dar um breve resumo, eu vi esse filme a primeira vez quando eu tinha por volta de 6 ou 7 anos, não foi muito tempo depois da estréia, nunca mais esqueci.

Andy Dufresne, um banqueiro culto e bem sucedido. Casado com uma bela mulher. E então um dia, uma tragédia aconteceu, pegou-a na cama com um jogador de golfe, traindo-o.

Então, bêbado e com pensamentos torpes, fora na frente da casa do golfista, aonde agora, sua ex-esposa morava... e ficou a beber e carregar a arma... mas não. Ele desistiu. Ele voltou e jogou fora a arma.

Mas algo ocorreu, algo que mudaria totalmente a vida dele. A sua ex esposa e o golfista (ou era tenista?) foram assassinados. Ele, como havia deixado balas de revolver e pedaços quebrados da garrafa de Wiskey que ele bebeu enquanto decidia ou não assassinar ambos, fora condenado como principal e único suspeito.

Mas ele sempre negou o fato de tê-la matado, de ter matado ambos. Na prisão de Shawshank conheceu seu - provavelmente - melhor amigo, Ellis Boyd 'Red' Redding, interpretado por Morgan Freeman (Que é um ÓTIMO ATOR, convenhamos, não consigo achar filmes dele ruim). Lá ele passa a viver e passar seus anos... por muito tempo, nunca esquecendo - sempre tentando lembrar ele e os outros - da esperança e da liberdade - que ela não era impossivel.

Fez obras incriveis na prisão. Criou a melhor biblioteca de presídio que existiu, ajudou muitos a ler e escrever. Mas ele só tinha essa liberdade - e proteção dos guardas - porque ele lavava dinheiro para os outros, sim, era uma troca. Se ele não fizesse, os guardas não protegiam e então as "irmãs" abusavam-no, então o tempo foi passando, paciência esgotando... e por fim a esperança.

Não vou contar o final do filme, que vale a pena ver. É uma boa lição de vida e esperança e foi avaliado por muitos, o melhor filme que já existiu - inclusive - o melhor site de critica de filmes na internet já disse.

E realmente, eu não sei dizer qual, dos dois filmes que disputam esse "titulo", que é Um Sonho de Liberdade e O Poderoso Chefão é melhor. Os dois são perfeitos em seu estilo e para mim, são simplesmente monstros da Tela Prateada. E realmente, O Poderoso Chefão também merecia estar aqui, mas achei mais digno o Sonho de Liberdade por... bem, combinar mais com o blog e por ser menos conhecido.

Então, o que ele ensina? Sonhos e Esperança. Se tu tens esperança em um sonho tu podes e deves lutar pelo que acredita - e por sua vez - pelo tempo que precisar esperar, fazê-lo virar real. Esperança não é apenas acreditar, o nome vem de algo "Espera", tu espera que algo aconteça, tu acredita que algo aconteça... e se tu lutares, vai acontecer.

Mas tu não podes deixar de lutar e apenas esperar. Se não, nunca vai ocorrer. E eu realmente fico tentado em dizer o final do filme, mas acho que - as imagens - explicam o que houve. E acho realmente uma pena que não tenha ganhado Óscares, mas, tudo bem. Nem sempre os melhores filmes ganham prêmios.

Mas está ai... depois da meia noite tem mais um post!

E espero que reflitam ^.^ (Já ta virando jargão, não? XD)

PS: 16 dias para estar com a mulher da minha vida!

segunda-feira, dezembro 08, 2008

A Colônia Penal e Kafka

Certo. O post de hoje era algo que eu tava adiando de fazer. De fato, por pregüiça e falta de tempo de escrever minha opinião sobre um livro e um autor.

Eu ia fazer sobre Hobbes, mas bem, veio um lampejo de inspiração quando eu vi o trabalho sobre A Colônia Penal de Franz Kafka que eu fiz pra esse semestre e bem, está aí. Falaremos de Franz Kafka.

Bom, posso dizer o seguinte. É um livro bom, uma literatura antiga para os baixos padrões de leitura da nossa época, ou seja, quem não é acostumado a ler, não vai entender algumas palavras, embora eu ache relativamente simples.

O livro é uma critica ao sistema de punições corporais utilizados pelo sistema medieval. Esse sistema que era abominado por Kafka. Sim, Kafka era formado em Direito também, por isso sua ferrenha critica ao modo que eram julgadas as sentenças e o sistema da sua época e anteriores.

No livro há uma maquina cujo é o sistema de "sentença perfeita". Ela nunca erra, embora o condenado não seja julgado: Ele é culpado por algo que às vezes nem sabe. A maquina então rasga a pele e a carne da pessoa para escrever a punição devida a ele, de forma que, seja justa. A fria máquina não vê inocentes e nem tem compaixão com os culpados, embora, sejam culpados de crimes muitas vezes inexistentes.

Esse critica caracteriza e muito a literatura Kafkaniana: Contos de solidão, frustração e insegurança. Inumeros livros de Kafka retratam isso, devido às frustantes experiencias de Kafka na vida, como sua primeira relação sexual e por também, dois de seus irmãos mais novos (Que nasceram após Kafka) morrerem ainda quando pequenos, fazendo Kafka criar um eterno sentimento de culpa por isso.

Tão inseguro e frustrado, que antes de morrer, pedira para seu amigo Max Brod destruir suas obras, esse que não fez, pelo contrário, resgatou e salvou as obras de tal forma que hoje Kafka é uma das maiores influências no ramo literário.

Então, caros leitores (que acho que não são muitos, mas e dai?). Minha opinião sobre Kafka é que ele era alguém realmente frustrado. Teve decepções amorosas e desistiu de três casamentos por causa da sua insegurança. Ah, essa insegurança. Insegurança criada a partir da sua primeira - e se não me engano - única relação sexual. De certa forma, isso faz com que os homossexuais de hoje se identifiquem com ele.

É apreciado por eles, sim, por causa da solidão descrita nos personagens de suas histórias, personagens inspirados em sí mesmo. Logo, levariamos a acreditar que Kafka também era homossexual? Bom, muitos tentam argumentar sobre isso, mas, nunca poderemos saber realmente.

Minha concepção? Não, para mim, ele não era homossexual, bissexual talvez, por causa da péssima experiencia que teve e tinha com mulheres. De certa forma o assustaram, já era inseguro e vivia se culpando, uma péssima maneira de perder a virgindade lhe marcou eternamente. Bom, sobre isso, o blog que fala melhor sobre esse assunto é o da minha amada: http://sexdrops.blogspot.com/ tem um tópico sobre traumas e coisas da primeira vez.

Enfim. É isso que acredito de Kafka. Não sei se é certo ou errado. Até porque esses termos são definidos para mostrar apenas pontos de vista (Visão de Webber). Então, não posso dizer mais do que já disse...

E hoje faltam 17 dias para ir a Brasilia. Dezessete dias para estar nos braços da minha amada. Dezessete dias para não invejar mais as águias.

É, espero que reflitam.

domingo, dezembro 07, 2008

A Comuna de Paris

A Comuna de Páris. O único e verdadeiro ato de democracia feito até hoje na história de humanidade.

"Mas não vivemos em um Estado Democrático de Direito"?

Sim. Vivemos, mas realmente, existe democracia real em nosso Estado? É democracia - imperar, ou seja, obrigar alguém se alistar no exército ou até mesmo votar? Se é algo democrático não devia ser... algo livre?

Mais uma vez em pauta a liberdade não? Nota-se que todos, todos os assuntos podem tocar o fulgor da eterna busca das pessoas. Não terem que se subjulgar a nada nem ninguém.

Talvez seja por isso que grandes conquistadores existiram, sentiam-se livres ao subjulgar outros. Lembra-me levemente o Helenismo de Alexandre, o Grande e Aristóteles. Mas quem sabe, não? Se Alexandre tivesse alcançado as terras mais distantes que existiam naquela época, ou até, essas terras, tudo não seria diferente?

É... mas "se" não existe na história. Fico imaginando, se a Comuna não tivesse sido destruida pela burguesia e a nobreza em conjunto. Não, não da pra imaginar. Um mundo mais justo para todos... e ironicamente mais livre.

Liberdade baseada em regras de conduta: Apenas seres humanos são capazes de seguirem isso, porque eles sozinhos não conseguiriam ter noção ou bom senso para viverem em paz e sem caos.

  1. O trabalho noturno foi abolido;
  2. Oficinas que estavam fechadas foram reabertas para que cooperativas fossem instaladas;
  3. Residências vazias foram desapropriadas e ocupadas;
  4. Em cada residência oficial foi instalado um comitê para organizar a ocupação de moradias;
  5. Todas os descontos em salário foram abolidos;
  6. A jornada de trabalho foi reduzida, e chegou-se a propor a jornada de oito horas;
  7. Os sindicatos foram legalizados;
  8. Instituiu-se a igualdade entre os sexos;
São algumas das providencias da Comuna de Paris. Não parou por ai, se ela continuasse, hoje, minha faculdade não faria mais sentido. O dominio do Direito não seria apenas da advocacia, magistratura e afins.

Mas bem, nem tudo é perfeito, não? Como ser humano sei que sou incapaz de ser completamente livre, pois, como Hobbes diz, se não houvesse o Contrato Social e as leis, a natureza das pessoas faria a especie ir rumo à extinção.

Pensamento mais desesperado e de certa forma, desistente, mas, não seria melhor pro resto do mundo, se nossa raça simplesmente sumisse, antes que cause mais dano?

Mas... nesse exato momento, só conto os dias para estar com a mulher que amo em meus braços e esquecer a sociedade doentia em que vivemos... todos deviam parar um dia pelo menos para aproveitar com alguém que ama... antes que enlouqueçam.

É... é isso ai, reflitam...

sábado, dezembro 06, 2008

O Passar das Eras...


O alvorecer, o entardecer e o anoitecer. Eu acredito que o ato de envelhecer leva a muitas caracteristicas marcantes... de cada etapa.

Quando nascemos e somos crianças temos a sede por conhecimento, por sentir, por pensar, cheirar e tocar. Uma vontade infantil e louca de conhecer tudo que é novo, tudo que é novo. Nisso podemos ter nosso primeiros gostos amargos da vida.

Na minha concepção, é o momento que muitos sofrem a primeira perda para o crepusculo da vida. Geralmente os avós ou pessoas proximas mais velhas se vão nessa idade. E se tu não te preparas, é uma dor incrivel. Mas a vida continua, evoluímos para a proxima etapa.

Assim, chegamos na adolescência, a sede de conhecimento é substituida pela sede por liberdade e repetir de forma não moderada as sensações boas que aprendemos na etapa anterior, descobrimos ainda mais sensações novas. Mas bem, temos aqueles que já passaram por isso que nos prendem. Ah sim, uma sensação de prisão intensa ocorre nessa época da vida. Essa época ocorre a rebelião, a raiva e são quando cometemos os nossos maiores erros.

Alguns fazem os corpos sofrerem pela tentativa de fugir da prisão, se drogando ou outras coisas. Outros, guardam tudo e tornam-se amargos, outros finalmente aceitam a vida como ela é... Eu sinceramente, não consigo me ver encaixado em nenhum dos grupos. Até hoje, se bem, que ainda estou nessa fase, busco pela liberdade máxima e pelo que eu acredito. É, tanto que, criei esse blog.

Mas então, quando finalmente temos nossas convicções fortes e firmes, tornamos adultos. Seguimos nossa moral em nossas vidas, seguimos nossas convicções que nasceram antes. E isso faz de nós estarmos no esplêndor da nossa vida. É nessa época que conquistamos nossas maiores glórias e traçaremos, se sobrevivermos, o rumo de toda uma vida.

Vivemos então, nossas convicções endurecem com a experiência, cristalizam... e nós agora, somos quem podamos a liberdade. Irônia, não? A amargura que fora causada na gente, transferida para nossos filhos por nós mesmos. Mas, por que cristalizamos nossas visões? Por que as pessoas não mudam e entendem todos os pontos de vista?

Bom, se eu soubesse essa resposta, eu saberia resolver qualquer problema do mundo. mas não tenho essa resposta. Se todos lutassem com garra pelo que acreditam, tudo seria diferente. Mas o conforto e o simples e fácil ato de desistir... causa a perpetuação dessas coisas que vivem acontecendo...

Eu espero não fazer o mesmo que 'sofri' com meus filhos, pelo contrário, espero dar a liberdade total a ele, embora, eu não 'sofra'... até porque meus pais são bem liberais e gosto muito deles. Mas ao mesmo tempo - há sim - frustrações. Simples fato de ao meu ver, as pessoas deveriam tentar e fazer o que desejarem, e arcar com as conseqüências, se for um erro, aprender com eles.

É minha visão, é o que acredito...

É, espero que reflitam...

sexta-feira, dezembro 05, 2008

O Rei dos Reis

A imagem ilustra o momento. O campeão dos campeões. O Mortal Internacional agora conquistou todos os titulos da América.

Mas é incrivel... como inveja e incapacidade fazem pessoas falarem besteira não? Eu vejo pessoas do co-irmão azul do Rio Grande do Sul dizerem: "Parabéns pela 2a Divisão da America do Sul". Mas vejamos bem: É um titulo internacional, querendo ou não superior a um titulo nacional, que, por sua vez, é pré requisito para a disputa do titulo conquistado pela equipe do Beira Rio.

Entretando eles continuam dizendo asneiras. Segunda divisão? Lembra-me dos anos que o mesmo co-irmão passou na verdadeira segunda divisão, do futebol brasileiro. Me diga, quantos times da segunda divisão do Brasil, vão para a Copa Sul Americana?

Isso me remete ao fato de quando iniciaram a disputa da Libertadores. "Nunca vai pegar, é campeonatinho pequeno, logo termina. Nem vamos jogar". Foi o que os times da época disseram, hoje, é a maior competição Futebolistica da America do Sul. Mas isso - é infelizmente - a realidade da sociedade brasileira, reflete de certa forma.

Boca Jrs. não participou com os titulares para a Sul Americana por causa da situação problemática no Campeonato Argentino, fato. Tanto que nas outras edições a qual foi campeão, ele foi com tudo com o seu time titular, valorizando o titulo. E vejamos? Grêmio fez o jogo de ida e volta com reservas, eliminado pelo Internacional, mesma coisa Botafogo e Palmeiras e tantos outros times que desvalorizaram a competição que - é internacional - maior que um mero titulo nacional (não desfazendo, pelo contrario, o titulo de um campeonato nacional vale MUITO). E mesmo se forem pensar: Os 4 primeiros participam da Libertadores, sendo que, desses 4 primeiros, apenas um vai ganhar, mas botando em planos mais limpos, os três primeiros times seriam os melhores times da américa, isso no caso, de o mesmo time que ganhou um nacional, ganhar a libertadores.

Após isso viriam o resto? Não. Afinal, não conquistaram titulo nacional e nem internacional caracterizando: Como um time, sem titulo algum, pode-se dizer melhor do que um time - que mesmo não tendo se classificado pra Libertadores, logo, ficando abaixo desses supostos "melhores times", do que um que enfrentou equipes internacionais, tão válidas como qualquer outra que participou da libertadores?

Não obstante, é um titulo inédito para o futebol brasileiro, algo que ninguém, nem o tão grandioso São Paulo, havia conquistado. Foi uma proeza das maiores, para ainda se tornar ainda mais heróicos, por, ao conquistar o titulo, o Internacional se equipara com o maior campeão das Américas em diversidade de titulos.

Afinal, convenhamos, ganhar sempre a mesma coisa perde a graça, não? Imagino que não se gabariam se ao um time conquistar o Brasileirão, por ter 15 estaduais a mais. Um Nacional valeria muito mais do que 15 estaduais. Um Internacional, seja qual for, valeria mais do que 5 nacionais. Por que, muitos dos times que ficaram em posição melhor na tabela, não chegarão às semifinais da libertadores e muito menos, conquistaram a Sul Americana.

Então... caracteriza-se a inveja e falta de humildade das pessoas - que ao invés de aplaudirem algo que aumenta o glamour, tanto delas, como de todas as equipes nacionais - desfazem o titulo. Mesma coisa fizeram com a Recopa ano passado.

"Campeonato de um jogo só não existe" - Então, por que deveria ser válido o Mundial do Co-irmão? Foi um jogo só, contra o Hamburgo da Alemanha. Além do que... Mundial caracteriza outros continentes além da Europa e América, mesmo com expressão menor, afinal. Titãs já cairam para um "relés" Gigante.

Claro, creio eu que o titulo deles é legítimo, como qualquer um - mas deviam raciocinar antes de falar...

É, é isso! Espero que reflitam!

quinta-feira, dezembro 04, 2008

O Inicio

Bom... como primeiro post desse blog eu achei nada mais justo do que botar a letra da música que nomeia o blog e dar minha visão sobre o que eu acho de certas coisas... e calma, mais coisas virão...

Mas vamos lá...


Eagle Fly Free - Helloween

People are in big confusion
they don't like their constitutions
Everyday they draw conclusions
And they're still prepared for war

Some can say what's ineffective
Some make up themselves attractive
Build up things they call protective
Well your life seems quite bizarre

In the sky a mighty eagle
Doesn't care 'bout what's illegal
On its wings the rainbow's light
It's flying to eternity

Eagle fly free
Let people see
Just make it your own way
Leave time behind
Follow the sign
Together we'll fly someday

Hey, we think so supersonic
And we make our bombs atomic
Or the better quite neutronic
But the poor don't see a dime

Nowadays the air's polluted
Ancient people persecuted
That's what mankind contributed
To create a better time

In the sky a mighty eagle
Doesn't care 'bout what's illegal
On its wings the rainbow's light
It's flying to eternity

Eagle fly free
Let people see
Just make it your own way
Leave time behind
Follow the sign
Together we'll fly someday

Together we'll fly someday
Forever we'll fly someday
Together we'll fly someday


Então vamos explicar... embora eu ache a letra muito auto explicativa. Indica a natureza auto destrutiva do ser humano. É. Como por exemplo a questão das constituições, não só do Brasil, como do mundo a fora. Sejamos realistas, quantas constituições garantem 100% do tempo em 100% das chances o que as constituições resguardam e defendem. Alguns dos Direitos mais primitivos das pessoas.

E isso não é culpa só da população (Sim, eu acredito que sempre que há um problema, nunca é só em uma das partes envolvidas...) e sim dos representantes e daqueles que tem poder para mudar isso e não mudam por comodidade. Seria utópico viver em algum lugar onde o Direito à Saúde fosse 100% eficaz, não?

E não pára por ai... as pessoas continuam, continuam com suas vidas e tomando decisões e escolhas, enquanto todos vivemos numa constante guerra de consciência pelo mundo todo. Construimos coisas, vivemos nossas vidas materialmente, de forma externa, deixamos de pensar de forma profunda... mas não só hoje, sempre foi assim, desde a idade média, talvez antes.

Isso é refletido nas músicas da atualidade... se é que pode se chamar de música algo que idolatra o ser humano como um objeto e a violência como meio de apreciação. Sim, essa é a realidade da música Brasileira.

Mas não só Brasileira, essa cultura esta se espalhando. O glamour do dinheiro sobrepuja a noção de que... os fins não justificam os meios, um ato cruel por um bem nobre não deixa de ser menos cruel.

Isso transforma nossas vidas em algo bizarro. Mas não só isso, não apenas isso. Segunda estrofe, após o refrão, fala da capacidade auto destrutiva do ser humano. Destruindo o mundo, a si mesmo, seus anciões. Dizem que é para criar tempos melhores? Melhores... eu vejo o mundo se afundar cada vez mais. Cada vez mais.

E enquanto isso, nos céus, uma valente águia não se importa com nossas leis, com nossas sociedades. Ela vive, voa pela eternidade, com o orgulho de se mostrar a todos, fazendo o próprio caminho, atemporal, deviamos seguir o exemplo, mas, não podemos... talvez algum dia quando a minha utopia se realizar...

E enquanto isso, sinto inveja das águias. É. Eu queria ser uma... queria levar comigo quem amo para voar sobre o mundo, sem preocupações e essa falsidade da sociedade humana. Mas, infelizmente, sou incapaz disso...

E só resta a invejar e sonhar...

Então, espero que reflitam!